AS CRIANÇAS E AS TAREFAS DOMÉSTICAS

Atualizado: Abr 26


Neste artigo



Porque é importante incentivar as crianças a participar nas tarefas domésticas?


O nosso objetivo enquanto pais, é preparar os nossos filhos para que se tornem adultos independentes (que sabem tomar decisões, fazer escolhas) responsáveis (que assumem as consequências das suas escolhas e dos seus atos), realizados e felizes. Incentivá-los a participar nas tarefas domésticas é também uma forma de os preparar nesse caminho.


Muitos pais não querem pedir aos filhos que ajudem nas tarefas diárias, preferindo "poupá-los" de algumas responsabilidades e de tarefas menos agradáveis. No entanto, vários estudos demonstram que envolver o seu filho nas atividades domésticas contribui para o seu equilíbrio, dando-lhe os conhecimentos práticos essenciais para a sua vida futura como adulto independente e fortalecendo o seu sentido de entreajuda, igualdade, pertença, responsabilidade e autonomia.


Julie Lythcott-Haims, antiga reitora na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos e autora do livro “How to Raise an Adult” defende que os pais devem deixar de definir o êxito dos seus filhos em função dos testes e das notas. Em vez disso, devem concentrar-se em dar-lhes um amor incondicional e tarefas domésticas… aumentando assim a probabilidade de estarem a criar adultos mais bem-sucedidos e, sobretudo, mais felizes!


Lythcott-Haims baseia-se num estudo de Harvard (O Harvard Grant Study), que acompanhou as vidas de alguns licenciados

desde 1938, com o objetivo de descobrir por que algumas pessoas são mais bem-sucedidas do que outras. E uma das conclusões desse estudo é que os sujeitos que realizavam tarefas domésticas quando crianças cresceram e tornaram-se adultos mais independentes, mais capazes de trabalhar em grupos colaborativos e mais bem preparados para entender que, embora alguns trabalhos possam ser desagradáveis, podem ser uma parte valiosa da comunidade. Ou seja, executar tarefas domésticas como levar o lixo ou dobrar e arrumar as roupas podem não ser tarefas divertidas, mas fazem parte da vida. E as crianças devem desde cedo compreender isso.


As pessoas com grande sucesso profissional são empáticas, colaborativas e capazes de assumir tarefas de forma autónoma e responsável, e isso deve ser aprendido em casa, desde cedo. Pelo contrário, crianças que não executam qualquer tarefa doméstica e apenas se preocupam com os seus resultados escolares, aprendem que outra pessoa irá fazer essas tarefas menos agradáveis, que não é essa a sua função, e perdem uma oportunidade preciosa de perceber que cada pessoa deve contribuir para que a vida de todos seja melhor.



Veja aqui uma ted talk da autora sobre este tema



Vida prática: as tarefas domésticas e o método Montessori


Falar em tarefas da Vida Prática é falar também em Maria Montessori, a médica, educadora e pedagoga que

defendeu a Vida Prática como o verdadeiro coração da aprendizagem, ao contrário do comumente aceite como sendo as línguas e a matemática as áreas mais importantes.


As crianças aprendem observando o que as rodeia, como se levanta a mesa, lavam os pratos, como se preparam os alimentos, como nos vestimos, como cuidamos dos animais domésticos e plantas e como nos relacionamos. É através desta observação de atividades simples, curtas e concretas, que se repetem diariamente, que a criança gradualmente começa a atribuir-lhes um significado, familiarizando-se com elas, compreendendo-as e inicia a construção base da sua inteligência.


Maria Montessori defendia que as atividades de Vida Prática, como as tarefas domésticas, trazem imensos benefícios e ajudam a desenvolver a concentração, a autonomia, a coordenação, a organização, o respeito, a cidadania e consciência ambiental, assim como preparam as crianças para a escrita, desenvolvem a mente matemática e introduzem as ciências.



Se quiser saber mais o Método Montessori, compartilhamos aqui algumas sugestões de livros (clique no link para saber mais): - A Criança Montessori - De 1 a 3 anos, Um guia para a educação de seres humanos curiosos e responsáveis, de Simone Davies - 60 Atividades Montessori para o Meu Bebé, de Marie-Hélène Place - Montessori Modern Approach, de Paula Polk Lillard (em inglês)



Como incentivar o seu filho a fazer tarefas domésticas?


Crianças pequenas geralmente querem ajudar e imitar os seus pais e quanto mais cedo incentivar o seu filho a fazer algumas pequenas tarefas, maior será a probabilidade dele manter esse bom hábito. Pode começar por mostrar ao seu filho como fazer pequenas tarefas, como guardar a roupa suja no cesto, arrumar os brinquedos.


Se ele se habituar desde pequeno a participar na rotina familiar vai compreender que as tarefas domésticas não são um sacrifício mas que cuidar da casa é um trabalho de equipa, sobretudo se as tarefas forem divididas por todos.


A partir dos dois anos, já o pode incluir em algumas tarefas domésticas. Além de ajudar, vai reforçar a sua confiança e autonomia ao atribuir-lhe algumas responsabilidades. Mas lembre-se de que as crianças aprendem pela tentativa e, é claro, cometendo erros.


Algumas dicas:


- Peça ao seu filho para ser o seu ajudante ao preparar comida, dobrar roupas, por exemplo. Já aos dois anos, ele pode começar a brincar e ser o seu "assistente" em algumas tarefas.


- Lembre-se de associar a diversão às tarefas domésticas. Toque música, dance e faça piadas enquanto realiza suas tarefas. Isso mostra a seu filho que as tarefas domésticas podem ser feitas num ambiente agradável e serem um bom momento.


- Transforme as tarefas num jogo. Se quiser que seu filho arrume o quarto, pergunte: "Queres brincar às lojas?" "Podes ter uma loja de brinquedos. Mas, primeiro, os brinquedos têm que ser colocados nas prateleiras para que estejam visíveis para os clientes." É claro que terá que brincar por alguns minutos e pedir ao seu "vendedor" para encontrar os brinquedos que deseja, mas a rotina de arrumação terá sido um momento agradável entre ambos. Também pode motivar seu filho com um jogo de desafio como: "Quantos brinquedos consegues guardar em 30 segundos?"


- Elogie e agradeça-lhe por ajudar nas tarefas domésticas. Diga, por exemplo: "Uau, consegues mesmo arrumar o teu quarto!" "Tenho tanto orgulho!" Ou "Obrigado por me ajudares a dobrar a roupa, duas pessoas são mais rápidas!" Ele vai ficar feliz por saber que a sua ajuda foi útil e ficará mais entusiasmado para o voltar a fazer.


- Não exija demasiado, dê-lhe algumas tarefas simples para realizar, adequadas à sua idade. Peça apenas uma coisa de cada vez e certifique-se de pedir-lhe tarefas que ele consegue realizar. O seu filho pode ficar desanimado se for muito difícil.


- Seja tolerante. O Seu filho está a aprender. Pode não ser bem sucedido na primeira vez, podem acontecer pequenos acidentes. Mostre o seu contentamento mesmo que o resultado não seja perfeito, lembre-se de que o mais importante é que ele se esforce e faça o trabalho até o fim. Isso vai encorajá-lo.

- Seja paciente. É normal que demore mais para completar uma tarefa. Lembre-se de que ele está a aprender. Provavelmente será mais lento e não fará as coisas da maneira que deseja. Se uma tarefa for “mal executada”, não o repreenda, incentive-o a superar-se e fazer ainda melhor! Se necessário, pode pedir gentilmente que faça uma parte do trabalho novamente, mostrando-lhe como melhorar.


- Evite dar dinheiro como contrapartida. Em vez disso, diga-lhe que colaborar é a sua maneira de ajudar a família. Isto porque a recompensa deve ser o prazer de ter concluído a tarefa, de ter participado na vida familiar, e não o dinheiro. Ou seja, o objetivo deve ser a satisfação pessoal.


- É importante estabelecer algumas regras desde o início. Por exemplo, o seu filho deve saber que não pode ver televisão se o quarto não estiver arrumado ou que não pode ir brincar até que a mesa esteja limpa. Em todo caso, mantenha-se acima de tudo positivo para não desanimá-lo!


- Muito importante: meninos e meninas devem participar nas tarefas domésticas igualmente. Assim, eles aprendem que todos têm as mesmas responsabilidades dentro de casa.


Tarefas domésticas para cada idade


A idade sugerida para cada tarefa é meramente indicativa, pois cada criança é única e desenvolve as suas habilidades ao seu próprio ritmo e devem sempre ser adequadas às características do seu filho e da dinâmica familiar.


Antes dos 3 anos


- Guardar os brinquedos. Ao início, ele vai precisar da sua ajuda mas aos poucos pode deixá-lo ir fazendo sempre mais.

- Colocar a roupa suja no cesto.

- Encontrar pares de meias iguais entre as que estão a sair da máquina da roupa.

- Dobrar os panos e fazer uma pilha.

- Pendurar o seu casaco num cabide da sua altura.

- Limpar a mesa ou outros objetos com um pano húmido.

- Colocar o lixo no lixo.

- Lavar vegetais, rasgar as folhas de alface, despejar os ingredientes numa tigela.

- Arrumar livros numa estante baixa.


3-4 anos


- Todas as tarefas anteriores.

- Arrumar os brinquedos.

- Lavar as mãos sozinho.

- Ajudar a arrumar as compras.

- Arrumar a roupa numa gaveta de fácil acesso.

- Por a loiça na bancada.

- Medir os ingredientes secos de uma receita, despejar na tigela e misturar.

- Ajudar a por a mesa.

- Varrer com uma pá e vassoura pequenas.

- Regar as plantas, com a sua supervisão.


4 a 5 anos


- Todas as tarefas anteriores.

- Fazer a cama com alguma ajuda.

- Colocar a loiça na máquina.

- Ajudar na cozinha.


6 a 7 anos


- Todas as tarefas anteriores.

- Fazer a cama sozinho.

- Atender o telefone.

- Guardar a roupa limpa.

- Dobrar a sua roupa sozinho.

- Preparar um lanche.

- Preparar a mala para uma viagem.


8 a 9 anos


- Todas as tarefas anteriores.

- Por o despertador.

- Acordar sozinho quando o alarme tocar.

- Arrumar a máquina da loiça.

- Limpar o quarto.

- Mudar os lençóis da cama.

- Despejar o lixo.


9 a 12 anos


- Todas as tarefas anteriores.

- Limpar o seu quarto.

- Preparar pequenas refeições.

- Lavar a loiça.

- Aspirar.


12 anos e mais


- Todas as tarefas anteriores.

- Preparar as suas refeições.

- Lavar o chão.

- Lavar a sua roupa.


E se ele se recusar a fazer as tarefas?


Converse com o seu filho para perceber o porquê. Se ele não cooperar, provavelmente alguma coisa não está bem. Talvez a tarefa seja muito difícil. Ele pode estar cansado.


Evite ser negativo ou puni-lo por não cumprir as suas tarefas. Calmamente insista para que a tarefa seja cumprida, mas não grite nem o culpe. Dê-lhe um tempo razoável para realizar a tarefa e reconheça o seu esforço quando o fizer.


Explique que todos devem participar nas tarefas domésticas e contribuir para a vida familiar.


Use o humor e a brincadeira ir criando pequenas pausas para ficar mais perto dele. Por exemplo, brinque ao "monstro das cócegas" que quer apanhá-lo. É possível que, depois de uma boa gargalhada, ele se sinta mais confortável para voltar ao trabalho.


Também pode pedir ajuda a outra criança (por exemplo: irmão, irmã, amigo). Trabalhar em equipa pode dar a energia de que precisa para chegar ao fim da tarefa.


Em resumo


  • A participação do seu filho nas tarefas domésticas contribui para o seu equilíbrio, dando-lhe os conhecimentos práticos essenciais para a sua vida futura como adulto independente e fortalece o sentido de entreajuda, igualdade, pertença, responsabilidade e autonomia.

  • Envolva-o desde cedo e mostre que cada membro da família tem o seu papel. Sendo assim, defina que quem suja limpa, quem espalha tem que guardar e quem desarruma, arruma.

  • Não adianta afastar o seu filho em pequeno das tarefas domésticas e, depois, quando chega a adolescente, querer que ele as faça por livre e espontânea vontade.

  • Pedir ao seu filho para ser o seu ajudante e transformar as tarefas em jogo pode ser uma boa estratégia para motivá-lo a fazer as tarefas domésticas.

  • Se seu filho não está a cumprir as suas tarefas, é melhor tentar descobrir o que pode estar mal e acompanhá-lo em vez de puni-lo.

  • Não se zangue nem o culpe se o trabalho não for tão bem executado quanto gostaria que fosse. Elogie-o sempre e explique como pode fazer melhor. Lembre-se de que com a prática certamente irá melhorar!


Veja também como envolver os seus filhos na cozinha